Donnerstag, 18. August 2011

Socorro!!!



Voltar pra minha terra natal me dá a oportunidade de lançar um novo olhar sobre a minha cultura. Coisas que antes eram super normais, cotidianas e despercebidas de repente saltam os olhos. Este é um momento interessante, que eu faço questão de não deixar passar em branco. 

O que tem chamado bastante minha atenção recentemente é como a crescente violência em Salvador tem transformado o comportamento das pessoas. Até meus amigos mais relaxados e tranquilões estão virando uma pilha de nervos. Isso me assusta enormemente. Outra mudança de comportamento que eu observei (já de muuuuuuuito tempo, mas agora está demais) é que pra se proteger um pouquinho que seja da violência, os Soteropolitanos abrem de mão de cada vez mais direitos, de cada vez mais liberdades.

Exemplos: já faz tempo que a gente não pode sacar quanto a gente quer de nosso próprio dinheiro nos caixas eletrônicos. Pra evitar que seus clientes sejam completamente roubados, os bancos instituiram limites de saques nessas máquinas. As operadoras de cartões de crédito seguiram a moda e monitoram de perto as compras de seus associados. Também bloqueiam seus cartões assim que uma atividade atípica é detectada. 

Agora também já não se pode usar o celular dentro dos bancos para evitar que marginais alertem seus comparsas do lado de fora do banco sobre quem sacou dinheiro. Outro dia ouvi uma entrevista de um bambambam da polícia dando dicas de como fazer pra sair vivo de um assalto. Me indignei! claro que eu entendo a lógica de tudo isso. Claro que quando alguém é assaltado, depois de passado o susto da situação, é um consolo saber que o bandido não vai poder raspar a sua conta. Claro que eu entendo medidas preventivas, claro que eu entendo o se querer tomar cuidado. Mas eu faço aqui um convite a filosofar e filosofando, o que eu percebo é o seguinte:

Nós abrimos mão de nosso direito de liberdade. Não podemos sacar nosso dinheiro, ficar dentro de nossos carros, entrar em certos bairros, usar nosso celular onde nos der na telha, andar de moto sem virar suspeito, usar nossos cartões de crédito pra sermos espontâneos, nem tirar meleca do próprio nariz, afinal de contas estamos sendo filmados. Ao invés disso, as autoridades responsáveis por garantir nossa segurança e liberdade nos ensinam a aceitar o crime como parte normal de nossas vidas. Agem como se fosse ok oficializar o medo, estimular a acomodação. Prendem as pessoas comuns em um estado de pânico eterno enquanto a criminalidade vai crescendo à vontade. 

Na boa, vocês conseguem pensar uma coisa mais estranha do que viver em um país (que não está em estado de guerra) e ser obrigado a pensar que "graças a deus que ele só levou meu carro, mas não me deu um tiro", "ainda bem que só foi um tiro de raspão" "ele ficou em coma depois de ter recebido uma bala na cabeça, mas sobreviveu". Será que é mesmo engraçado apelidar um golpe, que muitas vezes resulta em morte de pessoas inocentes de "saidinha bancária". É pra ser bonitinho? Vamos nomear a prática para normalizá-la? É isso?

O que é isso, minha gente? O que é que a gente está esperando? Não poder mais sair de casa? O dia em que os ladrões vão distribuir senha pra melhor organizar seus assaltos? A polícia vai dizer o quê? Tente ficar no fim da fila pra atrasar ao máximo a sua vez? Deixe sua porta aberta e sirva um cafezinho pra o marginal não achar que você está oferecendo resistência ao assalto. Quer saber de uma? Eu acho que tá na hora da gente começar a oferecer resistência sim, a esse modo de pensar que nos tornou eternas vitimas pacatas da ineficiência e descaso de nossas instituições e de nossa própria cultura acomodadinha, que parece que só tem força mesmo é pra gritar "gol".

Keine Kommentare:

Kommentar veröffentlichen