domingo, 24 de junho de 2018

Colher morangos


Mais uma coisa legal do verão alemão são as frutinhas silvestres da estação como o morango, o mirtilo e a framboesa. Semana passada, fui com minha galera colher morangos e foi super divertido. Deixa eu contar:


Assim que abriu a temporada dos morangos, uma amiga que mora perto de um desses campos nos avisou e na primeira oportunidade lá estávamos nós com nossas vasilhas na mão. O esquema lá é colha e pague. Você chega, eles pesam seu vasilhame ou lhe oferecem um se você não tiver, lhe indicam qual locar do campo onde você pode ir e o resto é com você. Enquanto cata os morangos você pode comer quantos quiser. No final das contas eles pesam o que você colheu, e você paga apenas por aquilo que for levar pra casa. O quilo do morango neste campo saía por € 2,49. Fiquei boquiaberta porque no supermercado você leva apenas 500g pelo mesmo preço.

Colher morangos realmente vale à pena. Além do preço, tem o fato de que é um programa gostoso para se fazer com a família, sem contar com o fato de que você realmente escolhe as frutas uma por uma. Nada de surpresas desagradáveis no fundo da caixa. Além de ser um processo super meditativo.


Pouco antes de chegarmos lá, uma de minhas amigas, que já tinha tido essa experiências diversas vezes, nos contou que algumas pessoas quando percebem que encontraram uma área cheia de morangos vermelhinhos e doces, ficam tentando proteger esse espaço à qualquer cursto. Chegando lá, fiquei fascinada e achando que aquele campo de morangos era uma boa metáfora para algumas situações da vida.


Alguns de nós sofre da mania de achar que está sempre correndo o risco de estar em desvantagem. Então recorremos à filosofia da “farinha pouca, meu pirão primeiro” ou do quando achar uma área com morangos doces, não deixe ninguém chegar perto. Isso me parece uma grande bobagem. O campo onde estávamos era gigantesco. Com certeza tinha morangos suficientes para todos. 

Outra coisa que notei, foi que eu e minhas amigas quase não precisamos sair do lugar. Ali mesmo onde eu estava, ia olhando as plantinhas ao meu redor, levantando as folhas, de um lado e de outro, olhando com cuidado e os morangos vermelhos e doces estavam todos ali. Sem precisar ficar correndo de um lado pra o outro, sem precisar ter medo de alguém fosse chegar e pegar as melhores frutas.

É uma pena que a gente tenha mania de se preocupar muito com os outros da forma errada. Como na colheita recreativa em um campo de morangos, o que a gente precisa fazer é prestar um pouco de atenção às nossa atitudes e ao que está à nossa volta. Será que a gente precisa mesmo se preocupar tanto de que algo vá nos faltar? Será que o nosso não está bem ali na nossa frente e tudo que a gente precisa fazer é olhar com mais cuidado e levantar uma coisinha aqui e outra ali ao invés de ficarmos só olhando de forma negativa para aquilo que o outro consegue? 


Nem sempre os morangos à mais na cestinha do outro significa morangos a menos na nossa.O que a gente precisa é aprender a cuidar do que é nosso, de uma forma mais solidária, sem ter medo de sair perdendo e sem que para isso a gente precise atrapalhar o outro.


Vamos tentar?


Como sempre meu muitíssimo obrigada à Nina Hatty pela revisão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário